Arquivo do Mês de Dezembro, 2011

Solidariedade

Terça-feira, 27 Dezembro, 2011

RICARDO PARREIRA APRESENTA “COM QUE VOZ” EM TOURNÉE NA BÉLGICA

Segunda-feira, 26 Dezembro, 2011

Na sequencia de uma série de espectáculos já realizados entre 2010 e 2011, em Portugal e em alguns teatros e festivais internacionais, o guitarrista Ricardo Parreira regressa á Flandres para uma série de dez datas nos últimos dias do mês de Janeiro.

O espectáculo é uma homenagem aos grandes poetas da literatura portuguesa: Camões, Alexandre O’Neill, Manuel Alegre, Fernando Pessoa, David Mourão Ferreira; Cecília Meireles; Pedro Homem de Mello, José Carlos Ary dos Santos, José Saramago, José Luis Peixoto, entre outros. E neste sentido alguns dos temas mais emblemáticos do panorama musical do fado como: “Naufrágio”, “Maria Lisboa”, “Trova do Vento que Passa”, “Com que Voz”, “Cravos de Papel”, “As Mãos que Trago”, “Gaivota”, “Havemos de Ir a Viana”, “Cuidei que Tinhas Morrido”, “Formiga Bossa Nova”, “Meu Amor, meu amor”, “Madrugada de Alfama” entre outros.

Os seus convidados: Micaela Vaz (Voz) e Marco Oliveira (Voz e Viola de Fado), reúnem-se num espectáculo onde o fado se foca nos grandes poetas da nossa história.

Ricardo Parreira faz parte da nova geração de guitarristas que surgiu nos últimos anos. Tem 2 discos editados em nome próprio “Nas Veias de Uma Guitarra” (2008) e “Cancionário” (2010).

19 Jan | KOKSIJDE

20 Jan | LOKEREN

21 Jan | TERNAT

22 Jan | Heist-op-den-berg

24 Jan | LEOPOLDSBURG

25 Jan | BORGERHOUT

26 Jan | BORNEM

27 Jan | Evergem-SLEIDINGE

28 Jan | BEVEREN

29 Jan | WAREGEM

«Traços de Fado» Teresa Tapadas

Segunda-feira, 26 Dezembro, 2011
Teresa Tapadas terminou o seu segundo álbum – “Traços de Fado”, a editar a 23 de Janeiro de 2012.
Com direcção musical de Armindo Neves, Teresa Tapadas gravou 11 temas, e estreia-se aqui como autora, assinando a letra de dois deles: “Momentos de Ternura” e “O que Sentes, e Eu Sinto”.
“Traços de Fado” será apresentado no Auditório Municipal de Lagoa, a 28 de Janeiro, num espectáculo ao vivo.

Tiago na Toca

Quinta-feira, 22 Dezembro, 2011

Tiago na Toca

por Tiago Bettencourt

Tiago na Toca é um projecto à parte – não é um disco, ou um livro, ou um personagem.

É apenas o nome que dei ao conjunto de experiências que faço por intuição ou acaso, distintas dos meus discos de carreira.

São gravações independentes, propostas que aceito, desafios a que me proponho criativamente como exercícios, produções low-fi sem o dedo polidor da produção dos dias que correm.

O conceito será o abrir de uma janela mais pessoal e directa para dentro de “minha casa”.

Através de pequenas edições ou apenas gravações largadas na internet, vou mostrando os outtakes do tempo que corre entre CDs.

No fundo gostava que este projecto se caracterizasse por não ter qualquer definição.

Será o que for, nas alturas em que acontecer, como tiver que acontecer.
Este Tiago na Toca e Os Poetas é um conjunto de poemas que musiquei, em conjunto com algumas versões que gravei no Verão de 2008, entre os Álbuns “O Jardim” e “Em Fuga”. 

A ideia foi despoletada por um poema que ouvi, cantado pelo Camané, chamado “O Lenço”, que musiquei de novo e me trouxe a ideia de fazer todo um Álbum de palavras que não eram minhas.

Assim, comecei a minha pesquisa pelos Poetas que me fizeram começar as escrever: Poetas antigos, também Poetas do Fado que tanto me moldou.

O desafio de desvendar emoções, de lhes dar sons, harmonias, novas roupagens… E para isto usar o espaço, a captação descomprometida, o improviso, o instinto.

As gravações foram feitas na sua maioria em minha casa, com um, ou no máximo, dois microfones.

Convidei pessoas que admiro e músicos com quem gosto de tocar.

Sem ensaios, foi surgindo um dos projectos mais profundos que gravei, pela cumplicidade, pela naturalidade das participações, pela simpatia de quem me visitou.

Este álbum não é para ser gritado e vendido à porta das pessoas. É um álbum discreto, sereno, como um segredo.

 
Nasceu depois a ideia de fazer um CD / Livro que materializasse o projecto de forma especial.

Conheci, então algures por Lisboa, o Mário Belém cujo trabalho me fascinou e que acabei por convidar para entrar nesta aventura. Juntos fomos percebendo de que forma poderia ser feito este objecto, fomos visitar alfarrabistas, fui buscar edições antigas de livros de poemas que tinha cá por casa. Tudo o resto foi o Mário e todo o seu talento. Podem saber mais sobre o seu processo criativo no site dele que vos convido desde já a visitar (www.mariobelem.com).

O Tiago na Toca deixou de ser apenas um Álbum de música e passou a ser um objecto único, limitado, especial.

Recebi ontem as primeiras edições e fiquei comovido com cada pormenor: desde o papel, ao toque, ao cheiro, desde as ilustrações até ao pequeno envelope que contém o CD, tudo perfeito.

Cada poema está acompanhado de um texto escrito por mim com o relato de cada gravação.

O meu pai escreveu um prefácio.

Este projecto é fruto da simpatia, dedicação e inspiração de muita gente e a todos estou grato.

Assim, dois anos e tal depois da data prevista, o disco ficou pronto.  
Espero que gostem, espero que queiram este Tiago na Toca e os Poetas em vossa casa.

Dia 19 de Dezembro está em exclusivo nas lojas FNAC!

Todo o lucro das vendas irá reverter para a Associação Ajuda-me a Ajudar http://ajudameaajudar.org/

A toca fica oca se não sopra ou respira

A faca já não corta se ninguém a afia

O leme fica perro

Se o rumo não desprende a saída é um erro

Na toca o principio nem existe

Cá dentro há gigantes que nos regem como risos q não fingem

É eufórica a alegria

E de sangue a agonia

Porque também se pode querer no que há do outro lado

E é sempre credível um conceito credível

Onde a mão é mais quadrada

E a mensagem estudada e mais limpa do ruído — como aquelas fotografias onde estamos bem vestidos…

Mas eu gosto do ruído

Eu quero do ruído outras coisas que viajam

Que são espelho do que somos

Como forças à deriva

Que não prendem ou controlam

E são ventos sem vontade…

… mas que não param.

Eu quero a parte fraca

Porque é nela que nos vemos

Desafio a parte forte

Para agarrar no mundo

Quero o medo da coragem

E a coragem de ter medo

Tenho um corte que desvenda

Quero o fruto que se colhe

Pode ser anjo

Ou demónio

Mas na toca não se escolhe

Tiago Bettencourt

Fado interpretado por Camané pré-nomeado para os Óscares

Quinta-feira, 22 Dezembro, 2011

O fado “Já não estar”, interpretado por Camané no documentário “José & Pilar “, de Miguel Gonçalves Mendes, foi pré-selecionado para o Óscar de “melhor canção original”, anunciou hoje a Academia que atribui os prémios.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos anunciou a lista de 39 temas candidatos a uma nomeação para o Óscar de “melhor canção original” e o fado “Já não estar”, com letra de Manuela de Freitas e música de José Mário Branco, interpretado por Camané, foi selecionado.

O fado integra o documentário “José & Pilar”, que Miguel Gonçalves Mendes fez sobre o escritor português, Nobel da Literatura em 1998, sobre o processo criativo, sobre a relação com a mulher, Pilar del Río, com os leitores e com o mundo.

Documentário candidato a “Melhor Filme Estrangeiro”

Grande parte da banda sonora do filme português foi composta por David Santos (noiserv), mas inclui ainda temas interpretados por Camané, Paco Ibañez, Pedro Granato ou Adriana Calcanhoto, e já foi editada em CD.
A pré-seleção desta canção acontece semanas depois do Fado ter sido considerado Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

A academia divulgou ainda a lista das 265 longas-metragens aceites para uma possível nomeação para o Óscar de “Melhor Filme”, e dela faz parte o documentário de “José & Pilar”, por cumprir os requisitos, como ter tido estreia comercial nos Estados Unidos e ter estado pelo menos sete dias consecutivos em cartaz.

O documentário é ainda o candidato de Portugal a uma nomeação para o Óscar de “Melhor Filme Estrangeiro”. A 84.ª edição dos Óscares decorrerá a 26 de fevereiro em Los Angeles, Califórnia, mas os nomeados serão divulgados a 24 de janeiro.

Concerto por Um Novo Futuro

Quinta-feira, 22 Dezembro, 2011

Ana Moura, Deolinda, Clã, Luisa Sobral, António Zambujo, Anaquim e Cuca Roseta juntam-se no palco do Campo Pequeno a 10 de março, para o evento de solidariedade  “Concerto Por Um Novo Futuro”.

As receitas provenientes do evento irão reverter a favor da Associação Novo Futuro, cuja missão é apoiar crianças e jovens, dando preferência a grupos de irmãos, sem distinção de idade, sexo, raça ou religião, que estejam privados de um ambiente familiar adequado.
“Entre canções e sorrisos, espera-se uma noite de muita música, esperança e boa disposição…”, pode ler-se em comunicado. Os bilhetes para o espetáculo custam entre €15 e €35.

«Amália canta David» em CD

Quinta-feira, 8 Dezembro, 2011

Numa edição excepcional, agora que o fado é Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, a iPlay orgulha-se de apresentar a edição especial de Amália e David: as letras e a historia.

Um dia, Amália e a poesia re-inventaram o Fado,,,
No 15º aniversário da morte de David Mourão-Ferreira, a primeira colecção de todas as
músicas com letras suas que Amália gravou: Primavera, Barco Negro, Abandono, Maria Lisboa, etc…, incluindo 3 raridades dos anos 50. Som re-masterizado a partir das fitas originais.

O poeta que Amália mais cantou, David Mourão-Ferreira, morreu há 15 anos, exceptuando a própria Amália, cujas leiras foram cantadas, na grande maioria apenas depois de 1980. David Mourão-Ferreira é, a par do poeta popular Linhares Barbosa, aquele de quem Amália cantou mais textos,

A história da relação entre Amália e David e o que ela representou na aproximação entre poesia e o fado; as letras, fotos da época: tudo isto condensado num livro de 36 páginas, juntamente com o CD “Amália canta David”.

«Dança do Centro» Joana Melo

Quinta-feira, 8 Dezembro, 2011

Acústica e peculiar, a sonoridade remonta, do mesmo modo, a um lugar familiar com brisas frescas, inovadoras, e com elas aromas de outros cantos do mundo, de espírito fadista e irreverente, parte por terras de perto e longe, redescobre continentes, viaja de lés a lés saciando a sede nas influências que encontra pelo caminho e transportando-as de volta para casa.

De memórias, falam-nos a guitarra portuguesa, a guitarra clássica e o contrabaixo; de novidades, falam-nos o clarinete, a melódica, a concertina e percussões entre ambos, canta-nos o piano ao vermo-nos rodeados de um grupo tão invulgar, percebemos, então, que mais do que o convite para um passeio, toda a obra é um desafio à descoberta de algo novo embora familiar.

Ao fim de alguns anos, a voz que Joana Melo nos oferece é fruto de um amadurecimento, dando-se à descoberta de várias camadas e texturas, oportunamente poderosa ou delicada.

Em “Dança do Centro” tudo se passa à volta do Largo Central de uma povoação bem portuguesa. Neste caso, o Largo chama-se da Bela Fonte e, é, nesse espaço, que os músicos e a cantora descobrem o que os rodeia e vão compondo e cantando. O resultado surpreende-nos!

Exposição “Letras do Fado” em Madrid

Quinta-feira, 8 Dezembro, 2011

O El Globo de Juan nasceu em 2007 como colectivo artístico, tendo-se constituído, dois anos depois, como associação cultural sem fins lucrativos sediada em Madrid.

Foi fundada por Clara Leitão, Leonor Macedo, Pedro Guedes e Rui Aires, todos eles portugueses residentes em Madrid e profissionais de diferentes áreas culturais e creativas.

Este projecto nasceu da vontade de promover uma aproximação entre as culturas portuguesa e española através da produção de eventos artísticos multidisciplinares de curta duração, em Portugal e Espanha, que estimulem o intercâmbio artístico-cultural entre os dois países.

Las Veladas de Inês é fruto de um feliz encontro entre portugueses e espanhóis com grande relação com Portugal e surge como um grupo de trabalho inserido na associação El Globo de Juan, com o objectivo específico de trazer a Madrid uma programação regular de propostas relacionadas com a cultura, gastronomia, artes plásticas, etc, de Portugal.

O nome desta programação é uma alusão a Inês de Castro, protagonista, juntamente com D. Pedro, da maior história de amor de Portugal. Os coordenadores deste projecto são Araceli Tzigane, Daniel Berrocal e Clara Leitão.

A exposição “Letras do Fado” tem inauguração no dia 5 de Dezembro às 18:00 e estará patente até 8 de Janeiro de 2011. Pode ser visitada na Taberna Alabanda, calle de Miguel Servet, 15 em Madrid.

Fonte