Arquivo do Mês de Julho, 2011

Prémios Amália 2011

Segunda-feira, 25 Julho, 2011


A Fundação Amália Rodrigues divulgou os vencedores deste ano nas diversas categorias:

Revelação – Ana Marta

Ensaio/divulgação – José Manuel Osório

Poeta – Tiago Torres da Silva

Melhor interprete – Ricardo Ribeiro

Musico/instrumentista – Paulo Parreira

Melhor Álbum – Camané “Do amor e dos dias”

Musica Popular – Deolinda

Carreira – Maria Amélia Proença

CD «Rádio Amália» já à Venda!

Quarta-feira, 20 Julho, 2011

Este é o Fado Lisboeta. Quis o destino, que a 6 de Outubro de 2009, nascesse, na Capital do Fado, uma nova AMÁLIA.

A rádio AMÁLIA canta, a nossa História, na voz de grandes embaixadores desta expressão musical tão Portuguesa, o FADO.

A canção de Lisboa, dos Portugueses, canta o sofrimento, a saudade do passado, a saudade de um amor perdido. Canta a dor, a tragédia, a desgraça; os usos e costumes, o amor e o ciúme. As crenças e descrenças. A vida. As “Trovas bizarras e saudades antigas” escutam-se na Voz sentida e dolorida, dos fadistas de outrora.

Mas, o “Fado Português” é também inovador e criativo nas vozes, ditas, da nova geração.

A casa de fados, Rádio Amália, é o retiro de todos os fadistas. De todos os Portugueses. Porque, A MÚSICA É O NOSSO FADO.

Alinhamento

Amália Rodrigues – Fado Amália

António Chainho c/ Ana Sofia Varela – Tenho ruas no meu

Camané – Sei de um rio

Carlos do Carmo – Lisboa, menina e moça

Carlos Paredes – Despertar (Verdes anos)

Carlos Zel – Nossa Senhora do Fado

Carminho – A Bia da Mouraria

Dulce Pontes – Fado português

Mafalda Arnauth – Para Maria

Mariza – Meu Fado meu

Raquel Tavares – Rosa da Madragoa

Ricardo Ribeiro – Moreninha da Travessa

Vicente da Câmara – Moda das tranças pretas

Compre aqui

2º Aniversário da Rádio Amália!

Quarta-feira, 13 Julho, 2011

2º Aniversário AMÁLIA 92.0

Dia 6 de Outubro, 22h00, no Salão de Festas da Voz do Operário, entre a Graça e Alfama, no coração do Fado.

Ricardo Ribeiro, Cuca Roseta, Miguel Capucho, Celeste Rodrigues

E as revelações da Rádio Amália, Liliana Santos e Francisco Salvação Barreto.

Quis o destino que a 6 de Outubro de 2009, nascesse, na capital do Fado, uma nova AMÁLIA.

A rádio AMÁLIA canta, a nossa história, na voz de grandes embaixadores desta expressão tão Portuguesa, o FADO.

A canção de Lisboa, dos Portugueses, canta o sofrimento, a saudade do passado, a saudade de um amor perdido. Canta a dor, a tragédia, a desgraça, os usos e costumes, o amor e o ciúme. As crenças e descrenças. A vida.

As “trovas bizarras e saudades antigas” escutam-se na Voz sentida e dolorida, dos fadistas de outrora. Mas, o “Fado Português” é também inovador e criativo nas vozes, ditas, da nova geração.

A casa de fados, Rádio Amália, é o retiro de todos os fadistas. De todos os Portugueses, porque

A MÚSICA É O NOSSO FADO!

Este ano, voltamos a juntar as vozes dos fadistas – consagrados  novos valores – que dão voz a esta rádio, num espectáculo que também é um tributo. Aos ouvintes que nos encorajam todos os dias e à maior cantadeira de Portugal.

Amália 92.0, quis Deus que fosse o seu nome.

Bilhetes já à venda na Ticketline, Rádio Amália e locais habituais

«Flor de Cacto» de Filipe La Féria

Quinta-feira, 7 Julho, 2011

Numa Lisboa em plena crise psico-económica, um famoso dentista leva uma vida dupla com uma jovem tatuadora, produto típico da geração à rasca, convencendo a miúda que é um homem casado e pai de filhos. Tudo se complica quando esta pretende conhecer a verdadeira mulher do seu futuro marido. A enfermeira que há anos trabalha no consultório do dentista e alimenta por ele uma paixão secreta, vê-se forçada a passar pela mulher legítima do homem solteiro que sempre amou.
No ambiente hilariante de uma clínica dentária, com pacientes que são figuras famosas do nosso Jet7, a comédia atinge situações de grande comicidade com diálogos sofisticados e inteligentes mas numa peça de teatro transversal. Numa época de depressão, o público procura divertir-se, vendo um espectáculo bem representado e elegante, com a marca inconfundível de Filipe La Féria, da qual A FLOR DO CACTO é a impressão digital que se segue, num espectáculo com actores como Rita Ribeiro, Carlos Quintas, Victor Espadinha, Joel Branco, Hugo Rendas, Helena Rocha, Patrícia Resende e Bruna Andrade.

COMPANHIA DO TEATRO POLITEAMA

DIRECÇÃO ARTÍSTICA | Filipe La Féria
DIRECÇÃO DE CENA | Helena Rocha
ASSISTENTE DE ENCENAÇÃO | Inna Lisnyak
DIRECÇÃO DE PRODUÇÃO | Maria Ruivo
PRODUÇÃO | Maria Ruivo | Catarina La Féria | Margarida Lourenço | João Carlos Martins
DIRECÇÃO FINANCEIRA | João Borges Lourenço | João Silva Santos
CHEFIA TÉCNICA | Fernando Mendes | Paulo Miranda
CONTRA-REGRA | Rosa Areia
CONTABILIDADE | CTA Consultores Técnicos Associados | Carla Caetano | Vera Costa
ASSESSORIA JURÍDICA | Rui Colmonero
CONSULTORIA DE GUARDA-ROUPA | Paulo Julião
GUARDA-ROUPA | Catita Soares | Helena Resende
EQUIPA DE ADEREÇOS | Luís Stoffel | Miguel Quina
LUZ | Carlos Martins | Samba Baldé
SOM | Ricardo Ceitil | Cátia Caetano | Pedro Jesus
COORDENAÇÃO GERAL DE MAQUILHAGEM E CABELOS | Carlos Feio
TÉCNICOS DE PALCO | André Amaral | Rui Maçãs | Nelson Rodrigues | Filipe Lopes
BILHETEIRA | Mila Santos | Wagner Lobo
RESERVAS | Pepa Martins | Andreia Lopes
CHEFE DE SALA | Fernando Mendes
PORTA DE CAIXA | Francisco Afonso | Custódio Cambado | Benjamim Neves | Victor Monteiro

Paulo de Carvalho, 50 anos!

Quarta-feira, 6 Julho, 2011

“O tempo passa e eu continuo com muitos projetos, com muitas coisas para fazer”. (Paulo de Carvalho)

Em 2012, este artista ímpar, comemora 50 anos de carreira, data que começa a ser assinalada desde já com a edição de “Vivo”.

“Vivo”, é um testemunho das mais bonitas canções das últimas décadas, “ E Depois do Adeus”, “Flor sem tempo”, “Os Putos”, “Nini”, “Os meninos do Huambo”, ou, mais recentemente, “O meu Mundo Inteiro”.

Gravado em CD e DVD num concerto no Museu do Oriente, este é o primeiro registo ao vivo do artista e consequentemente o seu primeiro DVD.

“Vivo” está disponível em CD, CD+DVD e numa edição especialíssima, que inclui o documentário “Gostava de vos ver aqui” sobre a vida e obra de Paulo de Carvalho.

Realizado por Maria João Gama e Rui Capitão, este documentário de 50 minutos conta a vida e obra de Paulo de Carvalho usando recursos do arquivo de imagem da RTP  e declarações de, entre outros Carlos Mendes, Fernando Tordo, Pedro Passos Coelho, Carlos do Carmo, Joaquim Pessoa e Rita Guerra.

“Vivo”, é uma obra imprescindível de um dos maiores intérpretes e compositores da Música Portuguesa.

«A Lua de Maria Sem» em CD e Livro

Terça-feira, 5 Julho, 2011

O mais recente projecto de João Monge, “A Lua de Maria Sem”, é a primeira peça escrita por este letrista, a partir dos fados de Alfredo Marceneiro, e contada, entre a palavra e a música, por Maria João Luís e por Manuela Azevedo (Clã) que constituem, assim, duas expressões de uma mesma personagem, Maria Sem.

Depois da estreia da peça, em Abril passado, no São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa, chega agora ao mercado o CD/Livro com o mesmo nome e que contém, além do conteúdo áudio da peça, gravado anteriormente em estúdio, o texto completo.

Para além dos fados de Alfredo Marceneiro, “A Lua de Maria Sem” integra ainda o Fado Menor, cujo autor se desconhece, e música incidental da autoria de José Peixoto, que se encarregou igualmente dos arranjos e da direcção musical.

Musicalmente os fados de Alfredo Marceneiro são apresentados com uma linguagem contemporânea e com uma instrumentação diversa da habitualmente utilizada no Fado: guitarra, baixo e clarinete.

Em palco, o resultado artístico situa-se entre a peça de teatro com música ao vivo e o “concerto encenado”.

“A Lua de Maria Sem” é uma Edição Autor com distribuição Quarta Perfeita.

Ecos do Fado na Arte Portuguesa XIX-XXI

Domingo, 3 Julho, 2011

A Câmara Municipal de Lisboa através da EGEAC/Museu do Fado promove a partir do dia 7 de Julho a exposição Ecos do Fado na Arte Portuguesa, Séculos XIX-XXI na Sala do Risco, Pátio da Gale

No quadro da Candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade (UNESCO) encontra-se a Câmara Municipal de Lisboa através da EGEAC/Museu do Fado a promover uma exposição consagrada à presença do Fado nas Artes Plásticas a decorrer na Sala do Risco, no Pátio da Galé, de 7 de Julho a 17 de Setembro de 2011.

Entretecida no quadro de um diálogo estreito com a cidade, a História do Fado é também a história de todos aqueles que o recriaram nos domínios da criação plástica. Neste sentido, um olhar atento sobre as artes plásticas nacionais que representaram o tema, atesta, inevitavelmente, o profundo enraizamento do Fado à escala regional e nacional, bem como a transversalidade da sua representação, como objecto de inesgotável citação e recriação pictórica pelas sucessivas gerações de artistas plásticos nacionais, no quadro de distintas motivações e constrangimentos estéticos, ideológicos ou simbólicos.
Consagrada à relação do fado com a experiência plástica nacional, a exposição propõe uma leitura integrada e multidisciplinar das representações do Fado na Arte Portuguesa dos sécs. XIX-XXI, incluindo obras de Roque Gameiro, Columbano, José Malhoa, Constantino Fernandes, Almada Negreiros, Amadeo Souza Cardoso, Eduardo Viana, Domingos Alvarez, BernardoMarques, Stuart Carvalhais, João Abel Manta, Carlos Botelho, Cândido da Costa Pinto, Júlio Pomar, Leonel Moura, Graça Morais, António Carmo, Paula Rego, João Vieira, Arman, Adriana Molder, João Pedro Vale, Miguel Palma e Joana Vasconcelos, entre outros testemunhos que recriaram o tema.

Fonte

A China Lisboeta

Sábado, 2 Julho, 2011

Mais informações: Renovar a Mouraria